sexta-feira, 16 de maio de 2008

Leiam...e pensem da próxima vez que pensarem fazer o mesmo!

Enviaram-me este "e-mail" e achei importante/interessante publicá-lo aqui no blog. é o testemunho de um homem que não teve muita sorte...e que decidiu contar "a sua história" para servir de exemplo para outras pessoas!
"A TODOS OS MEUS AMIGOS E AOS AMIGOS DOS MEUS AMIGOS Chamo-me Ricardo Matos, tenho 35 anos e não sei se faço os 36! Irónico? Não. Sou realista… e já vão perceber porquê. Sou casado (em união de facto, o que para mim é a mesma coisa) há 6 anos. Um casamento feliz, vários desentendimentos ao longo deste tempo, mas nada que possa ter posto em risco os sentimentos fortes e recíprocos entre mim e a mulher da minha vida – a Paula. A prova está nos 2 seres mais importantes do mundo para mim – os meus piolhinhos – Nádia e André. A Nádia nasceu 1 ano depois de nos juntarmos – veio alterar por completo a nossa vida – os serões com os amigos passaram a ser em casa, o Bairro Alto e o Lux passaram para 2º plano. Mas não fez mal, pois a nossa maior alegria era partilhar todos os momentos com a nossa filhota. Cada gracinha,cada progresso do seu crescimento tinha que ser vivido pelos 2, ou sentiríamos inveja um do outro (no bom sentido). Passaram 3 anos e nasceu o André. Espevitado e muito manhoso, sempre foi um terror, desde o dia em que nasceu. Veio alegrar ainda mais a nossa vida. Antes de nascer o André, passei por um período complicado. Eu e a Paula discutíamos muito, a gravidez dela foi complicada, ela passou muito mal, o humor dela alterou-se completamente, teve algumas complicações e ficou de baixa a partir do 4º mês de gravidez… e eu não tive paciência nem coragem para a apoiar. Eu e a Paula chegávamos a discutir sobre quem deveria levar ou ir buscar a Nádia ao infantário. Eu achava que ela deveria fazê-lo por estar em casa “sem fazer nada”, ela dizia-me com toda a razão (hoje admito), que se estava de baixa, por algum motivo era. Não podia fazer esforços nem pegar em pesos, mas eu, no meu mais puro egoísmo,nunca parei para pensar. Eu não fui um bom marido, nem um bom pai, optei pelo caminho mais fácil e refugiei-me nos meus amigos, na noite, nos copos… O ambiente em casa ficou de cortar à faca, tudo era problema para a Paula, em contrapartida, lá fora tudo era maravilhoso, não havia stress com nada, eu era solicitado pelos meus amigos, ninguém fazia perguntas, ninguém me criticava, tudo era perfeito!!! Até que um dia, numa das minhas saídas nocturnas, conheci mais profundamente uma das amigas da noite: o nome dela era Mónica, tinha 25 anos, não era propriamente bonita, mas era aquilo que se chama “um chuchusinho”. Até esse dia, brincávamos um com o outro, provocávamonos mutuamente, chegámos até a trocar uns beijinhos inocentes, nada de importante. Mas nessa noite, foi diferente, eu tinha vontade de extravasar, não me apetecia pensar na minha vida actual, naquele momento, rejeitei completamente pensamentos sobre a minha vida, a minha mulher, a minha filha… o meu filho que vinha a caminho. Acabei a noite num hotel, achando que o meu acto era apenas um desabafo, pois se a minha vida estava virada do avesso, que mal fazia tentar alegrar-me um pouco?! Cheguei a casa à hora do almoço, deparei-me com a cara da minha mulher, a cara de quem tinha passado a noite em branco, angustiada e triste. A minha filha não entendia nada, apenas ficou feliz por ver o pai, sem perceber porque é que ele passou a noite fora. Desculpei-me com os copos, arranjei o álibi perfeito, disse que bebi demais, não estava em condições de conduzir e fiquei a dormir no carro, juntamente com um amigo. Não sei se a Paula acreditou. Só sei que não disse mais nada. Eu senti-me mal, mal por mentir, mal porque senti nojo de mim próprio, pelo que tinha acabado de fazer. Uma noite perfeita acabou num peso brutal na minha consciência. A Paula não merecia nada do que eu tinha feito. O tempo foi passando, as mágoas foram-se atenuando, mas as coisas entre mim e a Paula nunca mais foram as mesmas. Até que nasceu o André. Aí, baixámos as armas por completo e prometemos um ao outro que nunca mais íamos deixar as coisas chegar à exaustão. Éramos uma família e tínhamos que lutar por ela, por nós e principalmente pelos nossos filhotes. Esqueci o assunto, “redimi-me dos meus pecados”, dedicando-me à minha família. Mas sempre que me olhava ao espelho, sentia-me um cobarde pela traição e por não ter assumido os meus actos. Mas também, isso poderia estragar tudo. Era melhor ninguém saber de nada. Há cerca de um ano atrás, a Paula foi ao médico, por causa de umas dores que andava a sentir. Fez exames e detectaram que tinha quistos nos ovários. Teve que ser operada e para tal, foi submetida a uma série de análises – prática comum antes de uma cirurgia. Entre as análises estava a avaliação sobre o HIV. Qual o problema? Nenhum. Nunca poderia acusar nada… mas acusou. A Paula estava infectada com o vírus da sida e a tempestade caiu de novo nas nossas vidas. Tive que admitir o meu erro e automaticamente, fiz também análises. Estava também infectado, fui eu o causador de tudo, de certeza absoluta. Lembrei-me da inconsciência daquela noite, de tudo o que fiz e do que não fiz. Como é que eu pude fazer o que fiz sem usar preservativo, com uma pessoa que eu conhecia há tão pouco tempo. Mas tinha tão bom aspecto… quem haveria de dizer… Percebi também porque é que os antibióticos que andava a tomar não faziam efeito como deviam. Estraguei a minha vida, a vida da minha mulher, dos meus filhos, dos meus pais, de toda a família. A Paula ficou portadora do vírus, por minha culpa. A lição que aprendi, a um custo tão elevado foi que o amor vence tudo. A Paula deu-me uma chapada psicológica que eu nunca vou esquecer. Perdoou o que eu lhe fiz e tem-me proporcionado os melhores momentos da minha vida. Hoje, estou deitado numa cama, sem fazer esforços. Estou com uma broncopneumonia grave, o meu organismo não responde aos tratamentos, não sei quantos dias vou durar. Se me safar desta vez, vou continuar a viver cada momento como se fosse único. Estou angustiado por não haver nada a fazer, pelas consequências do meu acto inconsciente. Quanto à minha amiga, a Mónica, perdi-lhe o rasto, tentei contactá-la logo que aconteceu tudo, mas nunca atendeu. Será que sabia o que tinha? Quantas mais pessoas teriam a mesma coisa? Estas são perguntas para as quais nunca vou ter resposta. Percebi a importância da vida, que, se tivesse uma 2ª oportunidade,nunca desperdiçaria os melhores momentos, as gracinhas dos meus filhos, o amor da minha mulher. Porque escrevo? Porque quero passar a mensagem a todos os meus amigos e a todos os amigos dos meus amigos. Eu não tive uma 2ª chance, não pude voltar atrás, estraguei tudo. Por isso peço-vos: Não desperdicem as oportunidades da vida. Ponderem sobre o que é mais importante para vocês. Quando “brincarem” com alguém, conhecido ou desconhecido, por mais confiança que possam ter, protejam-se. O bom aspecto das pessoas não indica se estão ou não contaminadas. Cuidado com as caras bonitas (isto é válido também para as mulheres, claro). Mesmo com protecção, façam o teste HIV, porque nunca se sabe. Quando o fizerem, se estiverem a trair alguém como eu (custa muito admitir, mas foi mesmo traição o que eu cometi), cuidado, pensem que não podem estragar mais ainda a vida das pessoas. Eu não consegui voltar atrás mas quero que o meu caso sirva de exemplo. Não vou chegar aos 36 anos, vou deixar para trás uma história de vida muito bonita, os meus filhos, a minha mulher, toda a minha vida. Eles vão ficar marcados para a vida toda, principalmente a Paula que tem a vida dela estragada à custa da minha irresponsabilidade. Peço que não escondam nada dos meus filhos, quero que lhes contem tudo o que o pai fez, que lhes mostrem esta carta, quando puderem entender. Perdi o rasto a muitos amigos de escola, da faculdade e de outros andamentos. Por isso mesmo, quero pedir a quem tem esses contactos, que forme uma corrente e mostre a minha mensagem. O meu exemplo tem que servir para alguma coisa. Como não posso viver, pelo menos a minha morte poderá evitar outras, assim o espero. Às pessoas que me conhecem, provavelmente vão ler a mensagem depois da minha morte: nunca tive inimigos por isso posso dizer que tive todo o prazer em vos conhecer, em ser vosso colega, vosso amigo… não chorem a minha morte, ou se chorarem, sorriam ao mesmo tempo e pensem que a vida é maravilhosa, basta nós querermos. Por último, peço a todos os que lerem a minha mensagem, que pensem sobre o significado de curtir a vida. Curtir a vida não é fazer o que eu fiz. Pensem muito nisso. CURTAM, PROTEJAM-SE E VIVAM FELIZES!!!
Com saudades da vida Ricardo Matos
Lisboa, 27 Fevereiro 2008 "

5 comentários:

Ana disse...

Na minha opinião, tudo o que acontece e por um motivo, este depoimento talvez ajude muita gente a ter as suas "brincadeiras" de forma segura... também é um exemplo do que o amor pode fazer pois não era qualquer um que perdoava um erro tao grande... O egoismo pode deteriorar uma relação... mas o amor pode salva-la pois, so ele, é importante..... é ele o condicionador da vida, quem mais nos faz viver e ser felizes.... Bjs

Bichodeconta disse...

Pois amigo, tarde acordou..A vida pode e de curtir-se com os que amamos e não com desconhecidos.. E ainda quando isso acontece era bom acordar a tempo.. Tarde demais.. Pobres Paulas sugeitas á irresponsabilidade de alguém que aos 35 anos já devia ter mais responsabilidade e sobretuso ter mais respeito pela pessoa que o amava.. Peço desculpa, mas seria incoerente não dizer o que me vai na alma.. Há por ai muuuita Paula infelizmente.. um abraço, no desejo de que a situação se altere para melhor..

Nitinh@ disse...

A vida: curta demais. Muitos, sem sequer pensar, destroem-na, vulgarizam-na, tornam ainda mais pequena, pelos pequenos e inconsequentes actos.
...

Nitinha

Anónimo disse...

A vida é tramada não é? às vezes não temos a noção exacta do que andamos a fazer, e que tudo se resume a ideias tristes ou desmesuradamente inconscientes. Por vezes nem temos a noção dos limites possíveis, do que podemos realmente tecer em toda a nossa vida, mas acontece e nós nunca iremos aprender. É mau demais quando achamos que não há ninguém atrás de nós, que nada fica cá de importante mas é mentira porque ninguém que viva, o faz sozinho, e daí vem toda a importância de viver, de escutar as coisas boas da vida. Coitados serão os seus rebentos, coitados será a sua mulher, os amigos e a família e coitados seremos todos que ao olhar para trás achamos que tudo está errado e que não sabemos sequer viver. Obrigado Ricardo pela lição de vida...

Ze disse...

É com tristeza que leio este texto, e com a inconsciência de que há muitos mais casos semelhantes.

Nem sempre temos a ideal percepção do que estamos a fazer, do que se passa à nossa volta, no entanto, e por mais catastrófico que possa ter sido o acto causado por este homem, compreendo-o... compreendo que passava uma fase difícil da vida, que o evitava usar bem a cabeça, e causando o infeliz sofrimento da mulher, e também dos filhos inocentes... sem culpa de nada, com uma vida inteira pela frente e uma infância estragada.

Mas ao menos, é com respeito que vejo o último acto deste homem na Terra... certamente não seria qualquer um a escrever esta carta, muitos não se interessiariam por deixar um exemplo e uma lição de vida aos outros ou sequer se lembrariam. Este homem lembrou-se, sentiu no profundo da sua alma a mais aguda consciência de arrependimento, que em troca de qualquer coisa... mudaria o passado; preferiu deixar uma carta neste Mundo, dar a conhecer a sua história para servir de exemplo, e assim, como ele próprio disse e assim também o desejo, possa evitar muitas outras mortes.